• slide0
  • slide3
  • slide2
  • A HIRUDOTERAPIA SÓ DEVE SER EXERCIDA POR PROFISSIONAIS QUALIFICADOS DEVIDAMENTE CREDENCIADOS E AUTORIZADOS.
    EXIGA SABER A QUALIFICAÇÃO DO SEU TERAPEUTA ATRAVÉS DO RESPECTIVO CERTIFICADO PROFISSIONAL

  • A HIRUDOTERAPIA É UMA TERAPIA CREDÍVEL, CLINICAMENTE COMPROVADA, EFICAZ EM DIVERSAS PATOLOGIAS, UTILIZANDO AS SANGUESSUGAS ADEQUADAS. TENHA ATENÇÃO ÁS OFERTAS BARATAS DE DITOS TERAPEUTAS NÃO CREDENCIADOS QUE UTILIZAM TAMBÉM SANGUESSUGAS NÃO ADEQUADAS, QUE SÃO AS QUE NÃO PRODUZEM HIRUDINA, QUE É O COMPOSTO ACTIVO DESTA TERAPIA

Como Funciona?

A SANGUESSUGA
Na natureza existem mais de 400 espécies das sanguessugas. Para fins medicinais é utilizada apenas uma espécie: sanguessuga medicinal e suas duas subespécies: “Hirudina officinalis”e “Hirudina medicinalis”.
Estas espécies de sanguessugas são conhecidas desde os tempos antigos e servem lealmente muitas gerações de pessoas. Infelizmente, na maioria da população a noção “sanguessuga” ainda provoca uma reacção muito negativa, mas é uma criatura muito interessante e útil para homem.
Na natureza as sanguessugas vivem em águas doces da Europa do Sul e Ásia Menor, alimentam-se de sangue proveniente de animais que vieram ao bebedouro. E com essa ideia sobre a origem das sanguessugas medicinais é ligado ao mito bastante comum entre os nossos contemporâneos de que a sanguessuga podem contaminar o sangue humano com alguma sujidade ou qualquer infecção.
Mas, na actual etapa de desenvolvimento de Hirudoterapia mesmo a possibilidade hipotética de contrair qualquer infecção através das sanguessugas está excluída. As sanguessugas medicinais são cultivadas nas biofábricas em condições artificiais, estéreis e óptimas para elas sob a supervisão de biólogos.
Uma sanguessuga usa-se apenas uma vez e, em seguida, destroi-se. Por conseguinte, podemos dizer que as sanguessugas na medicina moderna - é um instrumento estéril e descartável que exclui completamente a transmissão de infecções, envenenamento de sangue e outros horrores, de que foi escrito antigamente pelos adversários de Hirudotherapia. Dessa mesma forma, para colocar uma sanguessuga correctamente, é necessário um especialista-hirudoterapeuta, experiente que conhece bem não só as sanguessugas, mas também o corpo humano.

 


 

O QUE ACONTECE?
As substâncias biologicamente activas que compõem a secreção das glândulas salivares das sanguessugas servem para desinfectar o sangue e a saliva das sanguessugas. Mas essas substâncias também são indispensáveis para os seres humanos: eles melhoram algumas propriedades do sangue, afectam o fluxo sanguíneo e as paredes vasculares.
Evidentemente, uma sanguessuga por natureza cuida de si própria e não sobre a pessoa. Ela protege-se da flora patogénica e melhora a qualidade do sangue e faz com que os vasos sanguíneos fiquem mais fácil de “morder”, mudando o carácter do fluxo sanguíneo, para consumir mais sangue, sem nenhum esforço especial.
Tudo isso é muito importante para as sanguessugas, mas um doente pode também aproveitar para se livrar de alguns problemas. De acordo com os impactos sobre o corpo humano, os componentes da secreção das sanguessugas são divididos em três grupos principais:
O primeiro grupo tem impacto no sistema imunitário humano e microflora patógena, e, consequentemente, tem efeito anti-inflamatório, bacterioestático e imunoestimulador.
O segundo grupo de enzimas, que actuam no nível da parede dos vasos sanguíneos, possui efeito antiaterosclerótico e como anti-isquémico.
O terceiro grupo de enzimas, que influenciam a circulação do sangue e linfa, são úteis para um paciente pelo seu efeito hipotensivo e acelerador de fluxo linfático.
Os mais importantes componentes do extracto de secreção das glândulas salivares de sanguessugas são incomuns e as suas propriedades de proteínas funcionais: hirudina, destabilaza, orgelaza, antistazin, dekorzin, kalin, eglin e alguns outros compostos.
O mais importante e imprescindível para organismo humano na secreção de sanguessuga - é hirudina. Esta substância inclui um conjunto de aminoácidos, particularmente a glutamina, asparagina, lisina, cistina, glicina, serina, e outros.
A Hirudina deve-se ao facto de que as sanguessugas podem curar uma pessoa de coágulos sanguíneos e prevenir a formação de novos, limpando o sistema circulatório. É por isso que usando de modo eficaz as sanguessugas em tromboflebite, varizes, doença isquêmica do coração, prevenção de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais que tanto conhecemos por AVC.
O mesmo efeito tem outra enzima - destabilIzando com um poderoso efeito anti-esclerótico. A outra enzima da secreção das glândulas salivares das sanguessugas – orgelaza promove a formação de novos vasos sanguíneos.
Como resultado da Hirudoterapia, devido à influência da composição da secreção nas paredes dos vasos, dissolvem-se os coágulos de sangue e diminui a edema, nos órgãos danificados restabelecendo-se o fluxo normal de fluidos. Além dos efeitos sobre os vasos sanguíneos, o extracto de sanguessuga tem efeito antibacteriano, que é usado nos tratamentos de várias doenças infecciosas.
Sabe-se que após a aplicação de sanguessugas é melhorado o estado geral do paciente nos seguintes pontos:
- Normaliza-se pressão arterial e temperatura corporal, restabelece-se o apetite e o sono, melhoram os processos metabólicos do corpo, desaparecem as dores e os espasmos vasculares, incluindo dos vasos coronárias e cerebrais. Além disso, graças a um dos componentes do extracto - hialuronidase - facilita-se a penetração das várias substâncias medicinais no organismo do paciente, aumentando a permeabilidade dos tecidos e paredes vasculares. Porque o tratamento com sanguessugas é tão eficiente: produzindo estas substâncias medicamentosas penetrando no sangue de um paciente na íntegra, e exercendo uma influência poderosa no organismo humano.

 


 

COMO ACONTECE?
Durante milhares de anos o uso das sanguessugas na prática médica, acumulou-se numa enorme experiência na aplicação deste “medicamento vivo”.
São bem conhecidos os pontos em que se colocam as sanguessugas nas doenças específicas. Elas são aplicadas directamente na zona do órgão do doente, ou no ponto de acupunctura associada ao órgão do referido doente.
Os hirudoterapeutas frequentemente deixam as sanguessugas “seleccionar” o ponto em que serão aplicados, geralmente as sanguessugas quase nunca estão erradas.
Então, no corpo de um paciente, num ponto desejado aplicam-se as sanguessugas - geralmente 2-7 numa sessão. Antes da primeira sessão os pacientes, em geral, têm medo de “mordida da sanguessuga”. Na verdade, esta assemelha-se a uma picada de mosquito, e certamente muito menos dolorosa do que uma injecção convencional por seringa. A sanguessuga morde a pele num ponto biologicamente activo e, gradualmente, introduz no sangue do paciente as glândulas salivares.
Porque, é que a picada da sanguessuga por vezes é mais eficaz do que a injecção de medicamentos?
Porque quando os medicamentos injectáveis são mais ou menos uniformemente distribuídos por todo o corpo, no caso as sanguessugas o efeito concentra-se só na zona afectada. 70-80% .
De todas as substâncias biologicamente activas introduzidas pela sanguessuga na corrente sanguínea do paciente fica apenas a zona de impacto.
Uma vez que a secreção é injectada no sangue do paciente, a sanguessuga descarrega o fluxo sanguíneo, sugando o sangue.
A perda de sangue durante uma sessão é baixa - não mais de 15 ml. A mesma quantidade um paciente perde durante as próximas horas até o sangramento parar. O escorrimento de sangue e linfa do local da picada pode durar até 10-15 horas após o procedimento - que não é nada perigoso, não deve tentar pará-lo.
Pequena perda de sangue e linfa elimina a edema e poêm em funcionamento os processos imunológicos do organismo. Uma sessão de Hirudoterapia dura normalmente cerca de uma hora.
As sanguessugas determinam quando podem terminar o “trabalho” e caiem do local da picada. A duração do tratamento com sanguessugas é acompanhada por um médico-hirudoterapeuta que determina individualmente a aplicação de paciente para paciente.
. Em média, é necessário cerca de 7-10 sessões, que terão lugar 1 a 3 vezes por semana.
Hirudoterapia pode ser usada como um método de tratamento independente. Pode ser combinada com os métodos de naturopatia, mas na maioria das vezes com a fitoterapia.
Bons resultados foram obtidos com uma combinação de Hirudoterapia com homeopatia e fisioterapia. O que é preciso para um paciente específico, determina também um médico.